• Redaction Radio ALFA
Jeudi 14 Decembre 2017
  Informations

Portugal quer o 'Óscar' mundial do turismo

Dia 10, Portugal quer conquistar o 'Óscar' mundial do turismo. A 10 de dezembro vai ser anunciado o vencedor do prémio 'melhor destino do mundo' dos World Travel Awards - e Portugal, já eleito 'o melhor destino da Europa' em 2017, tem a ambição de ganhar- Portugal quer vencer os maiores prémios de turismo.
Alfa/Expresso - por Conceição Antunes

Retour au début  UMA "DIPLOMACIA TURÍSTICA":

"E o vencedor é... Portugal!". O anúncio na última gala dos World Travel Awards, considerados os 'Óscares' doTurismo, foi histórico: pela primeira vez, Portugal foi eleito em 2017 'o melhor destino da Europa' (Europe's Leading Destination) apesar da chuva de prémios conquistada em anos anteriores.

Portugal foi o país que em 2017 recebeu mais World Travel Awards, os mais mediáticos e reconhecidos prémios de turismo a nível mundial. Na cerimónia que decorreu a 29 de setembro em S. Petersburgo, o país arrecadou ao todo 37 'óscares' de turismo, cerca de 30% do total e mais 13 que em 2016. O Algarve voltou a ser eleito 'o melhor destino de praia da Europa', a Madeira o melhor destino de ilhas, e o Turismo de Portugal o melhor organismo oficial de turismo, só para citar alguns exemplos.

A próxima meta é que Portugal seja vencedor do prémio máximo dos World Travel Awards, o de 'melhor destino do mundo' em 2017 (World's Leading Destination), que vai ser anunciado a 10 de dezembro. Portugal já foi nomeado para o prémio, e nesta corrida compete com as Maldivas, Malásia, África do Sul, Brasil ou a vizinha Espanha. Em 2016, o Dubai foi o vencedor do prémio World's Leadind Destination.

Segundo a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, "depois dos 2500 prémios e distinções internacionais que já ganhámos este ano, queremos muito ganhar o Óscar Mundial do Turismo", o que representa "o resultado do trabalho que todos, públicos e privados, temos feito" para uma maior projeção de Portugal como destino turístico.

Portugal também já foi eleito o 'Melhor Destino do Mundo de Golfe 2017', a par do título de melhor destino europeu nesta modalidade, na gala anual dos World Golf Awards que decorreu a 26 de novembro em La Manga (Espanha).

"NÃO PODEMOS SER XENÓFOBOS COM OS TURISTAS, MAS MOSTRAR QUE SOMOS UM PAÍS QUE RECEBE BEM"
"Portugal está a ser usado como exemplo no mundo na forma como o turismo consegue mudar a rota de crescimento de um país, também ao nível de emprego ou dinamização regional", destacou Ana Mendes Godinho no último congresso da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que decorreu em Coimbra e terminou a 25 de novembro.

"Também aqui temos de mostrar que não somos um país xenófobo em relação aos turistas", frisou a secretária de Estado do Turismo. "Pelo contrário, temos de promover Portugal como país aberto que quer receber mais turistas, e consegue gerir eventuais sobrecargas".que pelo contrário, temos a porta aberta",

Frisando que "estamos longíssimo da sobrecarga" ou do nível de turismo massificado, Ana Mendes Godinho enfatizou haver, no caso circunscrito a determinadas zonas de Lisboa ou Porto, "soluções pontuais que podem e devem ser avançadas para que as populações residentes estejam satisfeitas com o turismo".

CRIAR UMA "DIPLOMACIA TURÍSTICA", PROPÕE AUGUSTO SANTOS SILVA
"É falso que o país tenha turistas a mais, é falso que o turismo possa ser hoje uma ameaça, é preciso dizer isto as vezes que forem precisas", sublinhou Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, no último congresso de turismo organizado pela AHP em Coimbra.

"Temos de parar de dizer que temos turistas a mais. Nós precisamos do turismo para que o crescimento económico português continue e se expanda, nós precisamos do turismo para que os programas na área da cultura ou da reabilitação urbana prossigam", enumerou Santos Silva, frisando que "temos a responsabilidade de o fazer, para que a economia não regresse à astenia que viveu há poucos anos".

Lembrando que "o turismo é a melhor área que liga a economia à cultura", Augusto Santos Silva sustentou a necessidade de "tirar partido dos valores e símbolos que projetam hoje no mundo a imagem de Portugal".

O turismo é também "uma via nobre para potenciar relações bilaterais", sustentou o ministro dos Negócios Estrangeiros, propondo neste campo a criação "de uma 'diplomacia turística', pois há um grande trabalho comum a fazer entre a política externa e o turismo. O turismo é uma atividade de exportação, e há que usar esta ponta de lança que o país tem".

As exportações turísticas em 2017 deram um salto de 19% até ao final do terceiro trimestre e relativamente ao período homólogo do ano passado, atingindo 11,569 mil milhões de euros de receitas, segundo os últimos dados do Banco de Portugal. Só no mês de setembro o crescimento das receitas turísticas foi de 21%, e fazendo as contas no acumulado do ano verifica-se que os turistas estrangeiros fizeram a cada dia em Portugal despesas de 42,3 milhões de euros, contabilizadas como exportações.

PORTUGAL EM 2018 PALCO DA EUROVISÃO, FINANCIADA COM AS TAXAS DOS TURISTAS
A evidenciar a dinâmica que o turismo está a ter em Portugal, a secretária de Estado do Turismo destaca que nos últimos dois anos foram investidos 600 milhões de euros por 1500 empresas turísticas, além de terem sido criadas três mil novas empresas de animação turística.

Outra área em franco crescimento no país é o turismo associado a conferências e eventos, estando nesta altura 59 grandes congressos internacionais já agendados para Portugal em 2018 - o que nem sequer inclui a Web Summit (que tecnicamente não é considerada como congresso, por não ser promovida por uma organização internacional de caráter associativo).

Um dos eventos que promete dar maior notoriedade a Portugal em 2018 é a realização das semifinais e da final do Festival Eurovisão da Canção, a 8, 10 e 12 de maio no pavilhão Altice Arena em Lisboa.

A realização da Eurovisão vai ser financiada em €5 milhões pelo fundo constituído pelas taxas pagas pelos turistas em Lisboa (€1 por noite). Segundo Fernando Medina, presidente da câmara de Lisboa, são esperadas receitas de €25 milhões associadas à realização da Eurovisão. Com o crescimento turístico na capital, a autarquia prevê atingir no final do ano €14,5 milhões em taxas turísticas.

Em 2018, os empresários turísticos também antevêm aumentos dos seus negócios, e segundo Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português, "face ao nível de reservas que já temos para o próximo ano, são esperados aumentos pelo menos acima dos 5%, mas isto se nada de anómalo acontecer no mundo, o que sempre afeta o turismo".

Le: 04/12/2017 06:28:21
  D.Ribeiro

 Extrait(s) sonores trouvé(s)

Aucun extrait trouvé pour cet article